quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Época errada.

Com todo o absurdo que vejo atualmente, já me flagrei diversas vezes, pensando: Eu acho que eu nasci na época errada.
Sabe aquela época em que as crianças, eram crianças?
Que crianças se vestiam como crianças?
Assistiam desenhos infantis.
Faziam programas infantis.



A inocência das nossas crianças, onde está? Foi brutalmente roubada, raptada, tirada violentamente dos pequeninos.

Crianças de 10 anos que falam em namorados, mas não é mais aquela coisinha de amor infantil, de amor inocente, meninas de 12 anos grávidas.
Crianças que vivem em ambientes cheios de palavrões, que não tem um reflexo se quer, de ser um adulto estabilizado e de caráter.
Achamos fofo uma menina dançando funk, brega, cantando música adultas para sua idade, achamos incrível o fato da criança estar evoluindo e acompanhando a atualidade.
Achamos super másculo um menino mostrando toda sua violência, brincadeira de espadas, de bater, e que na maioria das vezes hoje em dia, terminam se machucando, muitas vezes gravemente, porque as nossas crianças não tem a consciência da hora de parar.
Vai me dizer que você não sente falta das meninas vestidas com aqueles vestidinhos da babadinhos, rosas, com lacinhos, aqueles sapatinhos delicados com cheirinho infantil?
Não sente falta dos meninos, correndo na rua, brincando de bola de gude, cabo de guerra, ou até mesmo de futebol? 
É lindo, sim, uma menina colocar o salto da mãe, escolher no guarda-roupa a peça preferida por ela que sempre ver sua mãe usar, se maquiar, colocar acessórios, e uma bolsa maior que ela mesma, para ficar desfilando. Vai me dizer que você mulher nunca fez isso? Eu já o fiz.
É lindo enquanto está dentro de casa, enquanto é uma brincadeira entre os filhos e os pais.
Mas, aquelas menininhas de maquiagem exagerada, uma roupa adulta demais, um sapato de salto alto, se achando sim '' adulta '', não se torna feio?
Isso acaba com a infância, elas se sentem maduras, donas de si mesmas, sim, elas se sentem adultas, e isso faz com que a infância passe sem nem ser percebida, e depois não se pode voltar, para consertar esses erros.



A brincadeira de ser adulta é construtiva e divertida, mas deixar a criança ser adulta, no futuro será frustrante e traumatizador.
As nossas crianças hoje em dia passam horas em frente ao computador.
Conhecem todas as tecnologias avançadas de dentro e fora do Brasil.
Comem em frente ao computador, vivem em frente ao computador.
Lembra-se aquela mesa na hora das refeições?
Aquela família reunida para conversar em um final de semana?
A mãe cuida da casa, o pai trabalha ou assiste televisão, e a criança está trancada no seu quarto, porque ela exige '' privacidade '', conversando com pessoas que ninguém conhece, entrando em sites indevidos, e fazendo o que nessa mesma idade para nós nem existiria.
Eu fui do tempo em que '' palmada '' podia, castigar o filho podia, eu fui da época em que ser pai e mãe ainda eram direito de nossos geradores.
E mesmo sendo dessa época, de brincar na rua sem ter medo, de me vestir igual a minha mãe, porque eu queria ser igual á ela sem ser adulta, de brincar de boneca, andar de bicicleta e velocípede, de pedir a benção ao meu pai e a minha mãe, mesmo sendo dessa época, em que infância existia, crianças eram crianças, quando escuto a minha mãe falar, ou alguém mais velho comentar como foi a infância deles, mesmo assim ainda me vem aquele pensamento nasci na época errada.
Música hoje em dia é poluição sonora.
Palavrões é ser moderno.
Estar conectado é ser popular.
Deixar de ser criança é lei.
E você como quer que sejam seus filhos?


Não julgue as crianças pelas fotos, elas são reflexo do que se é permitido pelos pais.
Julguem seus pais, julguem as nossas autoridades que mudaram até a forma de educar nossos filhos.



2 comentários:

Naldo disse...

Se eu aumentar ou diminuir uma so linha do que li aqui , podem me bater na Cabeça. Concordo com tudo que li

Ðäyäññy Crhysthyan disse...

Olá Naldo, obrigada pela sua visita!
Volte sempre.
E fico muito feliz que tenha gostado e concordado com o texto!

Postar um comentário